Tudo sobre Alzheimer
Links

Aqui você fica sabendo sobre as novidades do universo do Alzheimer e outras demências. O objetivo é ajudar a prevenir, promover diagnóstico e tratamento adequados, cuidar do paciente e do cuidador, apoiar a família, atualizar profissionais das áreas médica e de saúde, conscientizar sobre demências, combater preconceitos e multiplicar conhecimento para vivermos mais e com qualidade de vida.

Receba novidades e atualizações!

Agir para transformar. Agir para construir um novo olhar sobre Alzheimer.

 

E queremos que você também faça parte do nosso movimento. Participando de grupos de apoio na sua cidade, ajudando a combater fake news, compartilhando boas notícias, engajando-se como voluntário sempre que puder, obtendo conhecimento e contando suas histórias e dicas aqui no Tudo sobre Alzheimer!

 

Sejam muito bem-vindos!

"As informações e sugestões contidas neste site tem caráter meramente informativo. Elas não substituem consulta, aconselhamento e acompanhamento de médicos, psicólogos, nutricionistas, gerontólogos e outros profissionais especialistas.”

© 2019 by Tudo sobre Alzheimer - Faz Muito Bem  |  Termos de Uso e Privacidade

Atividades e mudanças que podem ser realizadas na casa de portadores de Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma patologia neurodegenerativa e progressiva, apresenta um tratamento que é dividido em farmacológico e não-farmacológico. E os cuidados em saúde dos portadores desta doença, devem priorizar ações que visam promover a saúde deste indivíduo. 

 

Uma das ações é valorizar a história de vida do paciente, respeitando suas preferências e particularidades, entendendo quem esta pessoa era antes do quadro da doença, e refletindo que possíveis mudanças devem ser pensadas junto com a pessoa, e não para a pessoa.

 

Dicas úteis!

É importante diariamente estimular o paciente a olhar o calendário, anotar a data em que estamos; anotar os nomes e datas de aniversários de familiares próximos; reforçar por meio de repetição verbal e de escrita o endereço residencial e inserir atividades que possam preencher a rotina gerando impactos positivos no bem-estar e na qualidade de vida.

 

Alimentação!

Sugere-se comprar alimentos saudáveis, e manter uma rotina alimentar com intervalos e um número mínimo de refeições diárias. Importante não deixar à vista do paciente doces, frituras e cachos de frutas, pois nas fases iniciais e moderadas há pessoas que ficam compulsivas e com hiperoralidade, ou seja, querem comer muito e colocar muita comida na boca de uma só vez, mesmo que já tenha se alimentado em um curto espaço de tempo.

 

Sugere-se também que o indivíduo portador da Doença de Alzheimer seja sempre estimulado a realizar atividades físicas ou alguma tarefa doméstica simples dentro de casa (levar o lixo para fora, varrer a casa, arrumar a sua cama, molhar uma planta, preparar um prato simples, fazer uma ligação telefônica para um familiar próximo), pois um outro aspecto resultante do curso da doença, é a apatia e a indiferença em interagir com as pessoas e realizar atividades, incluindo as mais simples.

 

Alerta para as fases iniciais!

Nas fases iniciais da DA, a normalidade e a anormalidade oscilam, entretanto sugere-se que o paciente receba suporte ou supervisão para lidar com transações bancárias complexas como saques, transferências de valores e pagamentos de contas no caixa eletrônico e receba auxílio na supervisão de seus medicamentos, são medidas de segurança ao paciente uma vez que a memória de curto prazo está prejudicada, e ele se esquecerá de realizar algumas ações se não for lembrado.

 

Também é importante evitar que o indivíduo resida sozinho, pois mesmo que ele tenha independência para tarefas de autocuidado, de alimentação e de deslocamento, pode ter problemas caso apresente um lapso de memória, ou seja, um apagão do que deveria fazer. Podendo esquecer um fogo aceso, a porta de casa ou uma torneira aberta, ou o gás ligado.

 

Caso a pessoa esteja em uma fase inicial e seja resistente às mudanças é importante uma reunião familiar, com o paciente, e posteriormente uma reunião com o médico responsável, para que a pessoa entenda que está em um tratamento médico e que deverá ter mudanças em sua rotina e na forma de sua moradia, pois fará parte do seu tratamento, algumas pequenas mudanças.

 

Atividade Física!

A caminhada é uma atividade física bastante interessante pois diminui os sintomas de perambulação e irritabilidade. Intervenções com animais domésticos, chamada de PET-Terapia, também é eficaz pois ameniza as alterações comportamentais e atua como um estímulo para a afetividade do paciente. 

 

E a estimulação cognitiva tem suma importância, pois auxilia com que o indivíduo esteja mais orientado, do ponto de vista temporal (para datas) e do ponto de vista espacial (para lugares), uma vez que são habilidades cognitivas prejudicadas nos estágios iniciais e moderados da Doença de Alzheimer.

 

É importante que o cuidador busque informações a respeito da doença, com orientação profissional especializada. Pois lidar com um paciente com este diagnóstico exige estratégias, necessidade de suporte emocional e suporte financeiro. 

 

Adicionalmente é importante conhecer quais recursos utilizar no dia-a-dia para promover a qualidade de vida do paciente, sabe-se por exemplo que ouvir música, é muito relevante para diminuir alterações comportamentais e psiquiátricas decorrentes do quadro demencial. 

 

Pacientes com diagnóstico de Doença de Alzheimer se beneficiam bastante de atividades com música, melhora o humor e a interação social. De preferência, músicas que tenham significado na vida da pessoa, que são de sua preferência e de momentos que marcaram a sua vida. 

 

Esperamos com as dicas de hoje termos ajudado nos cuidados e na orientação de atividades a serem realizadas dentro de casa, com o familiar portador de Doença de Alzheimer, visando assim melhorar a qualidade de vida do paciente e mantê-lo por mais tempo estabilizado.

 

Por Thais Bento Lima Silva (Docente do curso de graduação em Gerontologia da Universidade de São Paulo e Pesquisadora do Grupo de Neurologia e do Comportamento da Faculdade de Medicina da USP).