ABRAz-DF celebra 5 anos!



A Associação Brasileira de Alzheimer - Regional Distrito Federal celebra 5 anos de sua fundação. Abaixo publicamos um emocionante depoimento de seu presidente, o médico geriatra dr Otávio Castello Branco.


"Quero me dirigir nesse momento especialmente aos que tornaram possível esse dia. Meu agradecimento especial porque em 22/ago/2020, aniversariamos 5 anos da ABRAz-DF. Eu bem me lembro de como ela começou e das pessoas que fizeram os primeiros movimentos para nos apoiar na fundação e os primeiros passos para sua estruturação.


Quando fui ao Congresso Brasileiro de Alzheimer, em setembro de 2014, tinha o pensamento de fundar um grupo de apoio da ABRAz na capital federal. Eu já conhecia a instituição desde o início de minha carreira, na capital paulista, e sai de Brasília com o pedido de um esposo-cuidador para trazer a ABRAz para cá. A família dele tinha uma escola, o COC/CECAP do Lago Norte, o que viabilizaria uma sede para nossas reuniões.


Num dado momento do congresso fui para a oficina de "como montar um grupo da ABRAz" - desenvolvido de forma brilhante por duas psicólogas que eram auxiliares (alunas?) da Profa. Fernanda Gouveia no grupo de Pinheiros. Separados em grupos, fui escolhido como relator do meu e discutimos como montar um plano de divulgação. Fui lá para frente apresentar, na plenária, o que elaboramos. Eu já tinha alguma estrada de falar para público, mas aquele dia foi um dos mais especiais em minha vida. Porque enquanto falava senti uma emoção bem especifica e vi, com clareza, que era chegado o tempo. Eu pertencia aquilo e aquilo estava em minha essência. Até me surpreendi porque falei com tanta naturalidade que a mediadora perguntou de qual grupo da ABRAz eu era coordenador, e há quanto tempo. Ela se surpreendeu ao saber que nem voluntário da ABRAz eu era ainda... Aquela naturalidade e sincronicidade confirmou em meu sentimento o grau de identificação que eu já tinha, desde meu tempo de estudante de medicina, na lida com cuidadores e familiares. E um senso de pertencimento àquele trabalho.


Ainda no congresso, conheci no saguão um sujeito animado e acolhedor, com quem me identifiquei imediatamente e falei da pretensão de criar um grupo de apoio em Brasília. Ele vibrou tanto e me abraçou e disse que daria todo o suporte: Marco Polo era o então vice-presidente da ABRAz Nacional e presidente da Regional MS. Ofereceu o apoio de sua regional para nosso grupo até que tivéssemos condição de fundarmos a nossa regional. E ali mesmo no corredor chamou a Selma, que estava por perto, que foi gentil e acolhedora com o entusiasmo. Tinha mais gente também, que foi super simpática comigo. Ainda tenho o cartão de Selma escrito "Porta Voz da ABRAz". Fernanda Gouveia, que por caminhos da vida de geriatra eu já conhecia há anos, ainda era a presidente da ABRAz Nacional e apoiou a iniciativa brasiliense.


Voltando a BSB, começamos o movimento de oficializar o grupo de apoio. Mas então Mariazinha Leitão assumiu a presidência da ABRAz Nacional e orientou que precisaríamos fundar uma regional, e não apenas um grupo de apoio. Paralelamente, quando a notícia circulou que a ABRAz/DF seria fundada, soube que a Profa Dra. Carolina Becker, paulistana que lecionava Terapia Ocupacional na UnB no ano anterior fizera contato com a Lilian Alicke em SP planejando fundar a ABRAz no planalto central. Outra coincidência da vida, ela fora minha colega de residência na UNIFESP e de trabalho no Residencial Israelita Albert Einstein, em SP, e rapidamente integrou o grupo. Junto com o Godoy, o tal esposo-cuidador, Carolina e pessoas que vieram de uma lista de profissionais e familiares que organizamos, fizemos uma primeira reunião em 1/nov/14. Chegou ao grupo, nesse momento, Jurilza Mendonça, indicada pela presidente Mariazinha Leitão - de quem era amiga e parceira em trabalhos por décadas. Eu era o único que conhecia a todos os demais ali, e naquela reunião já definimos a primeira diretoria - na qual fui diretor científico. Godoy foi nosso primeiro presidente e, Jurilza, a vice.


Recebemos nessa época a visita de pessoas de diversas localidades, inclusive a Vera Caovilla, a fundadora-mor da ABRAz, que nos abasteceu de documentos, materiais, conselhos e muita coisa boa para impulsionar nosso começo.


E foi assim que em 22/ago/15, com documentação generosamente revisada e assinada pelo eminente advogado Paulo Emilio Catta Preta, realizamos a assembleia de fundação da ABRAz/DF. o jornalista Carlos Campbell graciosamente nos brindou com um registro em vídeo daquele momento - presente que recebemos sem sequer termos pedido. Assista pelo link https://bit.ly/2Qi867W .


Declarada a fundação da entidade, homenageamos aos presentes com uma mensagem da diretoria (leia em https://bit.ly/3hn2g0Q), logo após oferecendo um delicioso lanche trazido por apoiadores (@Sweets cocota). Assim começamos nossas atividades - principalmente o grupo de apoio, do qual sempre tive o privilégio de ser coordenador - algo que mudaria pra sempre minha forma de enxergar o familiar / cuidador, tornando-me um médico melhor.


Menos de um mês depois estávamos no parque da cidade, no Dia Mundial da Doença de Alzheimer, num evento de muitas frentes de atendimento ao público, banda do corpo de bombeiros e com muitos voluntários nos apoiando. Foi a coroação de nossa fundação, como sentimos à época.


Aquele momento de júbilo garantiu energia e coragem para os dias que teríamos pela frente. Como é natural de toda instituição, enfrentamos dificuldades. E muitas. Alguns de nossos membros tiveram problemas, e menos de 2 anos depois de nossa fundação cerca de metade dos fundadores já tinha abandonado o barco. Entre eles o presidente, por motivos compreensíveis, e a vice.


O grupo remanescente prosseguiu com ritmo mais lento, mas conseguiu manter e até expandir as atividades para dois grupos de apoio, agora acolhidos nas estruturas do SESC da 504 (Asa Sul) e Taguatinga. Realizamos simpósios científicos e campanhas de conscientização. Participamos por dois mandatos do Conselho Distrital do Idoso. Auxiliamos no desenvolvimento de políticas públicas e até realizamos curso de capacitação para médicos da rede de atenção básica na Secretaria de Saúde. Foram, sem dúvida, muitos momentos e atividades nesses cinco anos. Mas, acima de tudo, permanecemos junto com os cuidadores e familiares em nossos grupos - objetivo que motivou nossa existência.


E PARA QUE NARRAR TUDO ISSO?

Em primeiro lugar, para manifestar gratidão. A cada um que participou de nossa história. E são muitos, além dos que nominamos acima. Cada um deixou seu legado. Até mesmo os que trouxeram dificuldades, que tiveram sua serventia.


Em segundo lugar, para fazer um convite ao futuro. Sêneca, poeta latino, escreveu que "Para um navio que não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável". E, para lá chegarmos, sabemos carecer de maior estruturação para podermos ampliar nossas ações. Pois nosso desejo é deixarmos um caminho mais pavimentado para os que irão nos suceder.


Assim, também desejamos continuar a receber apoio de voluntários, gerando ainda mais prosperidade, crescimento e profissionalização. E para que, buscando caminhar com as sandálias da humildade, possamos continuar a crescer.


Viva a ABRAz/DF!! E que venham cinco vezes dez anos de sua existência."



Otávio Castello

Presidente da ABRAz/DF

22/ago/2020


(nota da redação: Viva a ABRAz DF e viva também você, dr Otávio e toda a equipe!!!)

15 visualizações

"As informações e sugestões contidas neste site tem caráter meramente informativo. Elas não substituem consulta, aconselhamento e acompanhamento de médicos, psicólogos, nutricionistas, gerontólogos e outros profissionais especialistas.”

© 2019 by Tudo sobre Alzheimer - Faz Muito Bem  |  Termos de Uso e Privacidade